Quinta, 21 Outubro 2021

E Entretenimento

Setembro

Avaliação do Usuário: 3 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Os ipês comprovam: a Primavera chegou. Inúmeros ipês floridos embelezam a ruas e praças das cidades, alegrando as pessoas que, estimuladas pelo brilho das pequenas flores amarelas, fotografam e partilham a beleza dessa árvore.

Como os ipês amarelos florescem, geralmente, na semana da Pátria, foram consagrados como Flor Símbolo do Brasil. E em nosso folclore há lindas histórias sobre os ipês, que também podem apresentar flores de cores variadas, além dos amarelos.

Mas há uma outra flor bem brasileira, retirada de nossas matas, que enfeitou jardins no início do século XX, principalmente nas cidades do sul e sudeste do país. Mas com o passar dos anos “saiu de moda” e descuidada, desconsiderada quase entrou em extinção.

Trata-se de um pequeno arbusto com folhas com um verde forte e brilhante, e pequenas flores de contornos simples, como em um desenho infantil. Mas, essas lindas flores possuem uma caraterística quase rara: em um mesmo galho abrem-se flores lilases e brancas.

Algumas pessoas dizem que essas flores mudam de cor, mas, observando de perto, percebemos que os botões podem ser brancos ou roxos! Embora a coloração possa tornar-se mais suave após a flor estar completamente exposta à luminosidade do sol. Seu nome científico é brunfelsia uniflora, ou simplesmente Manacá perfumado, Manacá dos Poetas ou Manacá dos jardins.

As borboletas, em especial as Monarcas, se reproduzem nesses arbustos e as pequenas lagartas alimentam-se de suas folhas, atuando como uma poda natural, cíclica. A seguir os galhos se recuperam com novas folhas e lindas floradas.

Esta planta já recebeu uma honraria: foi escolhida como a flor-símbolo da cidade de Curitiba, Paraná.

Outra curiosidade sobre este arbusto é a forma como pode se reproduzir. Suas raízes são horizontais e podem brotar alguns metros depois do arbusto principal, espontaneamente quando o solo é fértil e poroso.

Mas há um processo de multiplicação denominado mergulhia que é realizado dobrando-se um ramo do arbusto, fazendo uma incisão prendendo com um grampo e colocando a terra por cima. Ela brotará e ganhará raízes e nesse estágio pode se separar o ramo da planta mãe.

Assim o belo Manacá se reproduzirá e não correremos o risco de perdê-lo ou perder seu delicioso perfume em nossos jardins.

 

Eventos

Ana Renno
Curso de Teatro
Curso Ballet

Enquete

Quem é o melhor jogador de futebol?

Newsletter

Receba nossas noticias e novidades direto no seu e-mail.